terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A Porta (Poesia Espelho-Pictórica)

sábado, 26 de novembro de 2011

Arma

                                                              o
             T
           Tirotirotir               o          o          
             rr
            oo
                                                          o
       

Super Concretismo

              
               Cobracobra
                                 C
                                    o
                                       b
                                        r
                                        a
                                          Ser
                                                p
                                                e
                                               n
                                             t
                                           e
                                          C
                                         a
                                       s
                                       c
                                       a
                                      v
                                    e
                                    l
                                     J
                                      i
                                        b
                                          ó
                                            i
                                           a
                                          C
                                         o
                                        r
                                       a
                                      l
                                     J
                                   a
                                 r
                                a
                                 r
                                  a
                                    c
                                      a
                                    





















terça-feira, 22 de novembro de 2011

Uma deusa de Ébano


Sala de Espelhos

                                                                           

                Espelho                        Espelho


                                     Ohlepse                               Ohlepse

                  Ehpoels                        Ehpoels                        Oehepsl







                                                             Sphloee                     Sphloee                                                

Sol

                                   
                                       S
                                   L      S
                              S       O      L
                                   L      S
                                        L


                                           

domingo, 20 de novembro de 2011

Quanta

  Qual é a Velocidade da Mente?

  Quanta Velocidade tem a Mente?

                                         Q u            a          n       Ta
                                         Q        u    a    n              Ta
                                         A         na        Q         u   A
                                         Q


                                                                                      u
                                                    a                      n
                       

                                                                                                                          T





                                                                                                                                     A

                                     

                                           

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

sábado, 3 de setembro de 2011

Kama Sutra

  Tudo bem Gatinha? Você gostaria de se deitar na minha

                                 Kama-Sutra?

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Aos pés do Mestre

    Prostrar-me-ei de joelhos peranti a Ti Mestre
    Senhor de todos os senhores

                Mestre dos mestres

                            Rei dos reis

     A Ti entrego o meu Coração
             Peço um  pouco do seu Amor

             Ó Ser Transcendental

                       Receptáculo de toda Luz

                       Ó Fênix eterna
                   
                 
                         
 

Aos pés do Mestre

    Prostrar-me-ei de joelhos peranti a Ti Mestre
    Senhor de todos os senhores

                Mestre dos mestres

                            Rei dos reis

     A Ti entrego o meu Coração
             Peço um  pouco do seu Amor

             Ó Ser Transcendental

                       Receptáculo de toda Luz

                       Ó Fênix eterna
                     
                   
                           
   

Silêncio

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Mutação

             

              Nascer                            e                             Renascer

Harém do Caos

     Kátia

        Maria  Joana

                 Pedrita

                        Anita Garibaldi

                                 Jujuba

                                         Loura Gelada

                                                Natasha
       
                                                     Desiré

                                                             Janaína

domingo, 12 de junho de 2011

Paz e Amor

Paz e Amor
Paz e Amor
       Paz e Amor Sempre                      

A Cidade, O Caos


  A Cidade, O Caos

  Pedaços de concreto limitam os sentidos

  Becos, vielas
  Trabalhadores, favelas

  Os Sonhos e Esperanças dos mais
                     Humildes
                                              O Caos

  As sombras dos prédios
  Que escondem as pessoas

  E os carros que as dominam
  Elas não caminham mais com
  As próprias pernas

  Suas mentes atrofiadas não Imaginam
                                     
                                             O Caos

  A Cidade, O Caos

  Robôs se vestem rasgados
  Alienados

  Criaturas que não criam
  Seus dotes não existem
  Momentos incertos

  As marcas
                  Cicatrizes do desamor
                                             
                                                 O Caos

  Pensamentos tortos
  Projeções sem luz
  Bebês choram

  O tempo anuncia
  Eles são vítimas dos números
  Eles são programados

  Vítimas do Capital

                                       O Caos

   A Cidade, O Caos

   Insetos perambulam
   Homens perambulam

   Mendigos sem casa
   Casas com mendigos
   Cheios de dinheiro
   de papel que rasga
   Pode queimar

                                  O Caos

    Eles aprisionam suas mentes
                            O capital
    Eles mentem
    Onde está o homem?
    Animais humanos
    Se transformam em dinheiro
                                  Em cinzas

                                           O Caos

    A Cidade, O Caos
    A Monotonia
    Encontra as palavras
    Ao fechar as cicatrizes
    Abertas   em  combate

                   Na crítica ao sistema
               As Gaiolas humanas
      Farpas em transe
                   Ocultas nas ruínas

            Pessoas batendo cabeça

                                      O Caos

           Alienadamente

                  Correm velozes

               Mas se enganam
            Símbolos emergem
                      De sua solidão

           Mexem-se espasmos
                       Nas Cidades

               Metáforas à noite
                   Vozes, gemidos

                                   O Caos

   A Cidade, O Caos

     Um deserto me cria
         Um manifesto adormece

            A palavra entorpece
               Os dentes do tubarão

         Eles levam sua alma sem
                                Piedade

                                O Caos

         Trabalhem Trabalhem
            Vou pagar a Vocês
                   Comida e Educação

              Fiquem atentos aos programas
                 Vocês não podem pensar

          Sem reflexos
                             Robôs, Andróides

                                                   O Caos

     A Cidade, O Caos

     Enigmas envolvem o silêncio
            Gotas iridescentes ecoam

           Suas roupas de metal
              E a ferrugem se cala
                   Ao nosso redor

             Há talvez um vazio frio
                   Do papel de seda

                                        O Caos

      A Cidade, O Caos

      A fuga outros irão perceber
             Os anos que não passam
         Os códigos adormecidos
         Sombrios mandamentos
             Atacam e devoram
                    O mundo

          Capital, papel crepon

                                 O Caos
 
     A Cidade, O Caos

     Cegos enxergam os carros velozes
                   que se batem

     Cegos não enxergam a si mesmos

               Insanos se Tornam

     Paralíticos paralisam
       Eles param, estão parados

      Um caleidoscópio de perigos, de limites

     A margem aqui, a margem ali

                                        O Caos

     A Cidade, O Caos

         Pesadelos te esperam na cidade

             A televisão te programa
                 O asfalto te dilacera

           Os monstros escondidos sob
                As cinzas

                                  O Caos

      A Cidade, O Caos

             Das Árvores que queimam

          E o Neon te confunde

       A sela da casa do quarto escuro
                                            a  s
                                     O  C o

        a  Ceddia,  Saoc O

     À margem posso ver
              As Testemunhas vivas

          Do silêncio que nos separa

          Instrumentos da violência se projeta entre nós

                                                 o
                                                           s a

                                                   c         o

         A decadência
                  Somos sócios interdependentes

                    Racionais inconscientes
             Adolescentes inconsequentes

                 Perdidos na rotina

          Alienadamente mortos-vivos

                                 Aparentes

                                            O c a   o
                                                s

      A Cidades, O Caos

               A fumaça dos carros
                   Envolve nossos corpos

          A juventude envelhecida
              Camelôs por todos os
                            Lados
              Pessoas sem Emprego

                Onde está você?
                     Sem esperança
                    Sem sentido
               Testemunhas vivas da solidão

          A vagar, a vagar, a vagar

                                          O Caos

      A Cidade, O Caos

           A sociedade dilacera

               Corpos nus
               São insistentemente
                      Repetitivos
          Não se movimentam esperando o
                      Momento
           Simplesmente falando a

                                Guerra
           Plasticamente falando

                                        O Caos

      Deixem a vagar
          algemas em questão
                       Lutar, sêmem
          O cérebro mexe
              Abram as asas

                 Imagens do Poema

         Libertem-se  das palavras

                 à margem não se tocam

                                     O Caos

     A Cidade, O Caos

          Homens inconscientes
           E suas máquinas corrompem

            Nossos corpos
                        Difusos princípios
               que se entregam

                                      O Caos

          Um Rio trafega sem vida
                       Particípio
                       Passado
                  Reflexos da rotina
                      Inimigos escondidos
                              Nas trincheiras
             Se vestem em Guerrilhas

                 Amantes do dinheiro

                                     O caos

     A Cidade, O Caos

        Sem sonho, sem Poesia
                As Praias poluídas
                a diversão se torna

                               Doença

         A vida que lembra a morte

           Propagandas alucinam
              aprisionam suas mentes

           Acorrentam os sentidos

             Um prato de comida
             Um prato de comida

                                      O Caos

     A Cidade, O Caos

     Vozes em silêncio
         Almas que não vo   am

          O con cre to se que bra
                Horizontes sem trajeto
         Múltiplas realidades
            Crianças que não Criam

                                 O Soa c

    Apoteoses sem clímax
           Propaganda, Over
                                      Dose

          Muitos Mitos
             De alguns políticos
             Míticos políticos
                Mítica política

                             O o
                        C s o a a s

     A Cidade, O Caos

          Eles esquecem de si mesmos

               Ilusões do povo
          Que vegeta sem clorofila
              Não amam
                      Sobrevivem a tudo

         Mortos-vivos enclausurados
           No seu destino

                               O Caos

         O néctar, a dor
             O desespero da solidão
                 As vítimas
                        As Crianças
            Seus olhos, as lágrimas

                                o coas
  A Ci  da d  e ,       o  S a O c

       Espaços múltiplos se tornam

                     Reais
                             Inter
                              N
                                         E     T

          GRANDES e pequenos
            Livros sem letras

                       P a  l   a     r   vas
                                Q  u        e
                                               b r
                                     ad         as

           Desordem, confusão

            Estrelas que não  Brilham

                                       O Caos

   A  C i  da d  e , O   C  a  o  s

           São sementes part                         idas

                   Suas jaulas
                     Apartamentos ausentes

              Homens dançando E  i  e psia
                                              p l
                                         
            Se espantam no Incosciente

                                                    O Caos

               Pássaros sem asas
                       Verdadeiras camisas-de-força
            Famílias se separam
                   A GRANDE família é repartida

         Filhos do Capital
                   Filhos do pa p  e l

         As drogas embotam suas mentes, mentes
                                                Tu mentes
                           
                                            O  Caos
   
       A Cidade, O Caos

            A flor que não desabrocha
      espasmos a sentir
                      A Chuva ácida Química
              Enferruja nossos Braços
                    Nossos dedos amarrados

            Digitais que não existem
                        A Massa Amassa
                            A si mesma
                            A Massa Amassada

                                               O Caos

         Você não pode sonhar
             Sem imagens, à Margem
                     Eles tentam sobreviver

                     Sem Poesia
                    Sem sentimento
                        O Espelho se quebra
                 Sala de Espelhos quebrada

                                          O Caos

      A cidade, O Caos

          Pessoas se atropelam
              Não há mais tempo
                 Eles lutam entre si
            Animais humanos
                         Depredam a Cidade

              Vozes grunhidos e guinchos
                        Pa  l  a v ras em

                      P    e          ç
                             d    a
                                        o s      

                                        O s aa ooc

       O Medo nas esquinas

            Um Grito desafina, desa                                                        fina

            As algemas do Capital

          As paredes
                            Os muros

       a vida  que lembra a Morte

                                        O  A aaa Coo      s          S

        a Cidade, O Caos

         Armas apontadas por todos

                    O s Lados

             Balas perdidas podem me atingir
                                    podem me ferir

         Incertas notícias se fundem a contemplar

              As marcas, feridas navalhas
                                Que exalam

                                               O Caos

Silêncio

O Avatar

  Estava escrito na profecia
  Que n'um belo dia Ele nasceria
  E ao nascer os Três Reis Magos
  Avistaram a Estrela Cadente
  E O visitaram para Lhe dar
                               Presentes
                               Mirra, Incenso e Ouro
                       Pois Ele tinha um
                              Grande AMOR
                              O Maior de todos
                              Os Tesouros
                                                   O Seu Nome era  JESUS
                   

Silêncio

Coração de Fogo

 Chama que ilumina a Vida
                   Botafogo no meu
                   Coração

A Onda

 Cuidado com a Onda
                         Para ela
                                Não te levar


























                                               








































                                                                           P'ro  fundo

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Palavras de Amor

  Uma imagem vale mais
                      Que mil palavras
  E uma Flor?
 
            Uma Flor vale mais que um
                    Milhão de palavras de
                    Amor

O Poeta José Fortuna

  Apresento a vocês amigos
  O artista da minha família
  Uma Lenda da música sertaneja
  Autor de mais de 400 músicas
  Ele era primo do meu avô

  Quando criança usava um galho
  Para escrever poemas na terra
  O Mestre José Fortuna
  Que fez a versão da música paraguaia
  Em ritmo guarânia: Índia
  Que teve mais de 400 regravações
  Por grandes nomes da música sertaneja
  Como: Milionário e José Rico
  Pena Branca e Xavantinho
  Chitãozinho e Xororó
  E o Rei Roberto Carlos

  Fico muito feliz
  Porque um pouco da sua Poesia
  Está no Sangue que corre
                          Em minhas Veias

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Quando a Natureza Chora

  Quanto vale as lágrimas de um Índio?
  Elas não tem preço
  Nem o seu Coração
  E o seu Amor pela Natureza
  Pela Floresta da Amazônia
  Pelas Árvores e os seus Animais

  Progresso?
  É um Regresso a 500 anos atrás
  Quando os Índios eram vistos como
  Animais e os Negros também
  Há outras formas de obter

                                 Energia

                 A Amazônia é dos Brasileiros
                                              ou não?

  Contra Usina Hidrelétrica de Belomonte

terça-feira, 17 de maio de 2011

O Andarilho das Estrelas

  Mas se tanto se faz
  Mas se tanto se fez
  Coração aberto e um
                Sol Nascente em mim
  Mas se nada se faz
  Mas se nada se fez
  Coração fechado e um
                Sol Poente em mim

  Eu e Você e o Mundo
  Bailando sem parar
  Seja como for
  Virão canções de Amor
  E o sentimento do mundo
  Em meu Coração

  Mas se o infinito me tocar
  Eu voarei espaços como
                 Uma Fênix
                 Além do bem e do mal
                 Nascerá um Sol dentro de mim
 Seja como for
                       Virão canções de Amor
 Mas se o universo me tocar
 Eu vagarei espaços como
                  Um Pássaro
                  Além do meu sonhar
                  Nascerá um Sol dentro de Nós
                  E o sentimento do mundo em meu
                                              Coração
  O Andarilho das Estrelas
                      Caminhando dentro de nós
  O Andarilho das Estrelas
                      Vendo o Sol se Por
                      Vendo o Sol Nascer
  O Andarilho das Estrelas

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Jah é o momento, Caia todo o Amor

 Jah, me leve para outro lugar
 Jah, me leve pra me despertar
 Pra conhecer a verdade
 Leve e solto
 Pra viver a liberdade
 Do Amor
 Agora é tempo de Jah

 Jah é hora de viver a igualdade
 É o momento de sentir todo Amor
 Eu quero que Caia toda Amor sobre eu e você

 Jah, me leve para outro lugar
 Jah, me leve para iluminar
 Pra conhecer outros planetas
 Viajar na cauda de um cometa
 Feito de Amor
 Agora é tempo de Jah

 Jah é hora de sair do mundo escuro
 É o momento de desfazer todos os muros

 Eu quero que Caia todo Amor sobre nós
 Caia
           Caia
                     Caia
                              Todo Amor sobre nós

O Gênio das pernas tortas

 Garrincha, você e
                           n
                             t
                          o  r
                           t o u     o    
                                            M  u
                                                        n
                                                        d           o

terça-feira, 3 de maio de 2011

A Profecia

 Os profetas se calam diante do medo
 Abrangem a solidão que se parte
 Em compartimentos estanques
 Eles dizem: não toquem o vento
 Não percebam a noite ou um engano
 Eles se entristecem noutro lugar
 Adiante não me tenha emoção
 Que cai o velho inciso
 Um manual de sobrevivência
 Nada se transformará na galeria fria
 A gilete que corta , a navalha
 Gente que pede, implora Vida
 Fome, comida, queremos um pouco
 Da terra, Terra Mãe
 Seus filhos te perguntam, algo além
 Livros se queimam, há chamas ao longe
 Viajando por um mar desconhecido
 Oprimidos se refugiam em nós
 Seus sentidos apenas tangentes
 Um deserto em ritmos de marfim
 Elefantes brancos da África
 Desnuda-te e venha, senhor tempo
 Claros testemunhos do silêncio
 O clímax se apavora, inocência
 Abriguem-se nas cavernas ocultas
 Fantasias verdadeiras apreendem nossos dias
 A palavra que mata a morte
 Os espaços se apropriam do insólito
 E tu me dizes vento: A palavra Viva
 Transcende toda substância
 Um mar aberto desvela o véu
 Feito do mais puro mel
 A Profecia se faz
 Vagalumens perambulam

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Alucinada Lucidez

 Desse nome que vivo
 Esse dia que nasce
 E depois anoitece
 A razão se esquece

 A loucura talvez
 Vem outra vez
 Joga longe o medo
 Um pesadelo vira brinquedo
 Esse é o segredo
 Às vezes da vida

 Da vida sofrida
 Do salário de fome
 Da criança esquecida
 A criança sem nome
 Às vezes a vida é louca
 A comida no prato é pouca
 Mal dá pra encher a barriga
 Então rola briga
 Pelo pedaço de pão
 Pelo pedaço de chão
 É a desilusão meu irmão
 Então o Homem sensível
 Sonhador do impossível
 Se afoga na Toga

 A loucura talvez seja a lucidez
 Do que move a vida

domingo, 1 de maio de 2011

Futebol Sol

  O povo brasileiro ama o Futebol
  Em nosso País a Bola é como um
                           
                            Sol

sexta-feira, 29 de abril de 2011

quarta-feira, 27 de abril de 2011

A Luz do Blues

   Rompendo a noite
   Na cala da noite
   Buscando prazer
   Eu encontro você

   Caminhando sob as estrelas
   À luz pungente da Lua cheia
   Cantando um Blues

   Rompendo a noite
   Na calada da noite
   Eu descubro um segredo
   Que eu não tenho medo
   Da encruzilhada
   Da batalha armada
   Das forças que governam
   O outro mundo
   Eu sinto um mistério profundo
   Quando eu canto  o Blues

   Rompendo a noite
   Na calada da noite
   Eu encontro você
   O Senhor dos Abismos
   Que me dá o Poder
   De seguir meu Destino
   De cantar o lamento
                  Dos escravos
   Ecoar por dentro
             Uma Luz Negra que é

             A Luz do Blues

terça-feira, 26 de abril de 2011

O Canto do Xamã

 Então dança na beira do abismo
           Faz do medo seu amigo
           Do fogo seu brinquedo
           E da morte sua companheira

 Então dança, delira e transcende
           E trafega na escuridão
           Em comunhão

           Com os Insetos, as Plantas, os Répteis, os Chacais
           Os Grandes Felinos e os Pássaros
                              E conecta-se ao Grande Espírito
           Faz isso pela Memória dos seus Ancestrais
 

Mutações

   Livre
  Os sentidos suspensos
  A palavra acesa
  Movendo o segredo

  A centelha que queima
  A alma, desperta
  O conteúdo latente

  Brilhando
  Ouvindo o silêncio



              
                   Projetando imagens

                   Viajando
                   A mente
   Interpretando o mundo

   Vivendo aqui
   Um oceano por dentro
   De repente Ele emerge
                          O Sonho

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Sala de Espelhos, a Porta se abre

 Escrevendo eu me desvendo
 A cada palavra, a cada símbolo
 Que emerge dos abismos do inconsciente
 Vou nascendo, renascendo
 Rompendo o tempo
 Então o ser cercado por muros
 Se liberta no papel
 Não sou apenas um
 Agora sou muitos
 Reflexos dos reflexos dos reflexos dos reflexos dos reflexos
                                  dos reflexos dos reflexos dos reflexos


                                                     dos reflexos
                
                                  dos reflexos

                                                                      
                                                                       dos reflexos

domingo, 24 de abril de 2011

Receptáculo de Sonhos

  Receptáculo de sonhos
  Um puro sentimento além do tempo
  Adormeço neste momento
  Entorpecido pelo perfume de todas as Flores
  Enlouquecido pelo brilho incandescente
                               De todas as Cores

  Não sou mais corpo físico
  Agora sou espírito sou Luz
  Não sou mais um corpo que caminha
                             preso à terra
  Agora sou um Espírito livre, que tem asas
  
  Que Voa pela imensidão do Universo
  Por todo verso, por todo reverso
 
  Agora eu sou o Amor
                       O Amor                                      

Em seus Olhos

  Em seus olhos vejo amor
  E a beleza de toda cor
  Em seus olhos vejo a dor
  E uma lágrima que cai

  Cores e formas se fundem
  Pra nos mostrar
  Que armas e flores
  Existem em todos nós
  As fronteiras da alma
  Precisamos ultrapassar
  Se quisermos sobreviver
                       E sonhar

  Em seus olhos vejo um mundo
  E um sentimento profundo
  Em seus olhos vejo medo
  Eles revelam um segredo

  Que a vida é bela
  Quando abrimos o coração
  Que o caminho é perfeito
  Quando sentimos a compaixão
  Que toda Criança é um sonho
                 De um mundo melhor
  Que todos juntos somos
                   Uma célula só

   Todo o universo está no seu olhar
   Todo o universo está em seus olhos

Milhões de Corações

   E a Bola rola e o coração explode de emoção
   O Brasil é Campeão, o Brasil é Campeão

   Pátria de chuteiras, orgulho da Nação
   Seleção dourada, temida e amada

   São milhões de corações
   Torcendo por Vocês

   Em cada jogada, o suor e a raça
   Em cada partida uma vitória pela taça
   Em todo menino o sonho de ser jogador
   Nos quatro cantos, o mesmo canto de Amor

   São milhões de Corações
                           Milhões e milhões e milhões de
                           Corações
                           Torcendo por Vocês